Planetóide X

Broken Steel, a nova expansão para Fallout 3

quinta-feira, junho 25, 2009 José Guilherme Wasner Machado 0 Comentários Categoria: ,

Saiu hoje no Ars Technica uma pequena, porém interessante, resenha sobre Broken Steel, que é uma expansão para o premiado Fallout 3, aquele que é considerado pela maioria da imprensa especializada como o melhor RPG do ano passado. A opinião da Ars é muito positiva sobre a expansão. O que é um alívio, já que as duas expansões anteriores, apesar de elogiadas, foram meio decepcionantes em termos de desafio ou escopo. Sem falar nos bugs.

O ponto mais interessante de Broken Steel é que ele modifica o final da quest principal e, melhor ainda, permite que você permaneça jogando após a sua conclusão. Antes o jogador era catapultado de volta para o menu inicial. Algo pouco usual para a Bethesda, já que sempre foi norma em seus RPGs dar ao jogador a possibilidade de continuar explorando o mundo do jogo, mesmo após a conclusão da história central. Algo bem adequado, já que os títulos da desenvolvedora costumam exibir mundos absurdamente gigantescos, onde sempre existem muitas coisas para o jogador descobrir e fazer, independente da missão principal. Para ver como isso é sério, eu estou me aproximando do final da história de Fallout 3 - que em termos de "mundo" é até pequeno em relação a outros títulos da Bethesda - e explorei apenas metade do mapa. Isso porque sou do tipo que gosta de passear bastante e descobrir coisas. Não acidentalmente, estou com mais de 100 horas de jogo, um valor substancial. Um jogador que siga apenas as quests mais importantes dificilmente explorará mais do que 1/4 do mapa.

Outro ponto forte apontado na resenha é que a nova expansão introduz inimigos bem mais poderosos (e, claro, também aumenta o level cap). Com isso, o título recupera o fator desafio, fatalmente perdido quando o protagonista alcança níveis mais altos. No meu caso, após meu personagem passar do nível 15, o jogo virou um verdadeiro passeio. Com um rifle de mira telescópica e grande habilidade com armas e stealth, ficou facílimo matar a maior parte dos adversários à distância com um tiro certeiro na cabeça, sem correr maiores riscos. Porém isso fica repetitivo depois de um tempo e certamente não se compara ao suspense e emoção dos níveis iniciais, quando você aprende às duras penas que mostrar o nariz em campo aberto pode resultar em uma morte rápida e dolorosa para seu personagem. E onde cada passo tem que ser planejado com cuidado e atenção. Afinal, é assim que as Wastelands devem ser, algo saído de Mad Max, não da Disneylândia.

Assim que eu (finalmente) terminar a quest principal (resolvi parar de ficar passeando por aí), publicarei aqui a minha atrasada review de Fallout 3.

Confira o trailer de Broken Steel abaixo:

OUTROS POSTS

0 comentários

Por favor, fique à vontade para comentar, criticar ou sugerir. Mas não será permitido trolling, bullying, spam, preconceito e ataques meramente pessoais ou destrutivos.