Planetóide X

Jedi Knight: Jedi Academy - Uma Pequena Resenha

quinta-feira, maio 31, 2012 José Guilherme Wasner Machado 10 Comentários Categoria: , ,


O Steam disponibilizou recentamente um imperdível pacote com todos os jogos da clássica série Jedi Knight. O preço está uma pechincha: apenas 13 dólares. Para aqueles que nunca tiveram contato com a franquia, mas gostam de jogos de ação e do universo de Star Wars, é uma boa oportunidade. Dos quatro títulos que compõem o pacote do Steam, eu só havia jogado Jedi Academy. Tinha excelentes lembranças do título e de algumas de suas fases mais marcantes. Aproveitei então a chance de revisitar esse antigo favorito. A ótima notícia: ele envelheceu muito bem.

Na história, você é um(a) calouro(a) jedi que acabou de passar no ENEM da categoria, e se encontra a caminho da academia, junto com um coleguinha mala, Rosh Penin, para aprender mais sobre a força. A academia é dirigida por ninguém menos que Luke Skywalker, com a ajuda de Kyle Katarn, velho conhecido dos fãs da série Jedi Knight. Pouco antes do pouso, a academia é atacada e sua nave derrubada.Você então ajudará seus novos mestres na busca pelos misteriosos atacantes, desvendando um plano que, se bem sucedido, colocará os Sith de volta no poder. E você, claro, não deseja isso. Ou deseja?

 É possível definir o sexo, a espécie e as características físicas do seu personagem

Apesar de ser um jogo de ação, Jedi Academy incorpora alguns elementos típicos dos RPGs. À medida que a história avança, seu personagem vai evoluindo suas habilidades e adquirindo outras. Cada uma dessas habilidades possui três níveis de poder, que serão obtidos aos poucos. Certas habilidades são inatas e evoluem naturalmente, ganhando novos níveis independente da interferência direta do jogador. Elas definem alguns dos poderes típicos dos jedis, como o "empurrão telecinético" e o "salto em altura", por exemplo. Assim, à medida que o jogo prossegue, você consegue pular mais alto, arremessar ou puxar seus inimigos com mais força, defletir tiros com mais eficiência usando seu sabre de luz, e por aí vai. Além disso, a cada missão cumprida com sucesso, o jogador recebe um "ponto de habilidade", e pode utilizá-lo segundo seu próprio critério, ativando ou evoluindo alguns poderes opcionais. Lembra-se do Imperador Palpatine eletrocutando Luke Skywalker em O Retorno de Jedi? Pois bem, esse é apenas um dos vários talentos  opcionais a seu alcance. Não é possível obter pontos suficientes para ativar todas as habilidades em seu grau máximo, então cabe ao jogador direcionar a evolução do personagem de acordo com suas preferências, de modo similar a um RPG. As habilidades opcionais se dividem em dois grupos: o lado da luz e o lado negro da força. Os primeiros são mais voltados para cura e proteção. Os segundos, mais agressivos. Não será surpresa dizer que os poderes do lado negro são bem mais divertidos de se utilizar. Mas o jogador deve fazer um bom balanceamento dos dois lados, se quiser ter sucesso.

 Luke Skywalker estará no comando da Academia

Embora o núcleo de Jedi Academy gire em torno de tiroteios em primeira pessoa e duelos de sabres de luz em terceira, as habilidades desenvolvidas pelo jogador fazem a toda a diferença. Não fosse por elas, este seria apenas mais um shooter genérico como dezenas de outros. Esses poderes especiais acrescentam uma substancial camada de estratégia e de jogabilidade emergente para cada combate, tanto em termos ofensivos como defensivos. Opções não faltam. Dispare uma rajada de raios para eletrocutar instantaneamente um batalhão de stormtroopers. Acione o garrote telecinético para transformar um inimigo em um escudo ou em um porrete contra os demais. Use o "puxão jedi" para trazer o adversário para o alcance de suas armas, ou para arrancar outro de cima de uma plataforma elevada. É nesses momentos que Jedi Academy realmente brilha.

Outro ponto de destaque é o excelente design das fases. Bem coloridas, engenhosamente construídas e visualmente distintas entre si, elas conseguem encantar os olhos, apesar da obsolescência da engine gráfica. Por comparação direta, fica evidente a pobreza do design de fases de muitos dos jogos atuais, com seus cenários minúsculos, visuais genéricos e completa ausência de imaginação. Dragon Age 2, que estou jogando no momento, é um exemplo acabado dessa lamentável tendência.

 Ao saltar de prédio para prédio, em Coruscant, tome cuidado onde pisa.

Os cenários de Jedi Academy não são apenas atraentes, mas também parte integrante da sua jogabilidade. Por exemplo, uma fase em Coruscant não se limita apenas a colocar arranha-céus gigantescos como fundo de cena. Não, o jogo faz desses arranha-céus um desafio a mais para o jogador, obrigando-o a saltar perigosamente entre parapeitos estreitos, enquanto é atacado por todos os lados por inimigos estrategicamente situados em coberturas e sacadas. Um passo em falso e seu Jedi irá despencar para uma morte rápida.

Aliás, "despencar das alturas" é uma constante no jogo. Os desenvolvedores rechearam os cenários com pontes, passarelas e parapeitos em altitudes elevadas. E nada é mais gratificante do que enviar um adversário para a morte aproveitando-se dessas armadilhas potenciais. Impossível segurar a gargalhada sádica ao ver um inimigo mergulhar para a morte certa com um grito de horror,  principalmente se esse trágico destino tiver sido provocado por você, valendo-se de um empurrão/puxão telecinético bem colocado ou de um garrote jedi oportunista. Esses momentos podem transformar uma luta sem esperanças em uma vitória empolgante e inesperada.


Em níveis mais avançados de dificuldade, torna-se difícil usar esses truques básicos contra adversários mais fortes. Há momentos em que chega a ser frustrante a frequência com que certos poderes são resistidos, especialmente o puxão e o empurrão telecinético. Para tornar as coisas um pouco mais justas, a engine engenhosamente introduz distrações e falhas aleatórias nas ações dos inimigos. O jogador deve ficar atento para aproveitar esses breves momentos. De qualquer modo, a dificuldade é um estímulo para explorar novas táticas e recursos alternativos.E, por mais que os poderes especiais sejam divertidos de usar, sua principal arma ainda é o velho e conhecido sabre de luz. Ou sabres de luz, já que a certa altura você poderá optar por empunhar dois deles simultaneamente, ou escolher a variante do Darth Maul. Facilita bastante  aprender os combos e os movimentos especiais oferecidos por essa tradicional arma jedi. Eles são acionados por combinações de teclas e mouse em graus variáveis de complexidade e, se bem sucedidos, podem fazer toda a diferença num duelo contra um adversário aparentemente imbatível.


Apesar de ter muitas qualidades, Jedi Academy não é perfeito. Muitos duelos de sabre de luz acabam degenerando em mero esmagamento de botões, dada a velocidade com que as ações ocorrem. É possível derrotar mesmo o adversário mais poderoso do jogo na base da velha tática de "bater e correr". Muitos inimigos simplesmente se recusam a ultrapassar certas linhas invisíveis no cenário, permitindo que se acabe com eles sem arriscar o pescoço. As animações estão completamente datadas. As provocações dos seus adversários são repetidas tantas e tantas vezes, durante os combates, que se tornam muito irritantes. O mesmo acontece com a trilha sonora. E os personagens, principalmente os malvadões, são tão absolutamente estereotipados, que a sensação que se tem é a de assistir um desenho animado do Scooby-Doo. A história é absolutamente clichê e desprovida de imaginação. Serve apenas como encadeamento das missões e nada mais. Mas são falhas aceitáveis. Jedi Academy faz um bom trabalho em entregar um jogo simultaneamente simples de assimilar, quase casual, mas ainda assim recheado de possibilidades para quem quiser se aprofundar. Mesmo que você não seja muito fã de jogos de ação, recomendo dar uma chance a esse aqui.

Galeria de Imagens:

















PS1: as imagens desse post foram capturadas por mim.

PS2: Jedi Academy oferece um modo multiplayer bem elogiado, mas não me interessei em experimentá-lo. Meu interesse, como de costume, é exclusivamente na campanha single-player.

PS3: sendo um jogo de 2004, Jedi Academy não oferece suporte in game a resoluções superiores ou widescreen. Mas é fácil configurá-lo externamente para isso. Consulte o seguinte post para maiores detalhes.

OUTROS POSTS

10 comentários

  1. Brilhante análise e mais um jogo para minha wishlist... experimentei quase todos os Jedi Knight, com diferentes graus de satisfação. Tanto que cansei (odiei Outcast e não passei do primeiro nível!). O único que falta é justamente esse. Vou dar uma chance a ele um dia.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Aquino! Teste sim, ele é bem legal! Joguei duas vezes e nas duas me diverti muito!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Sem duvida o Force Unleashed chupou muito desses jogos de Star Wars antigos.

    ResponderExcluir
  4. Bem, o Steam acusa 23 horas... deve ser um pouco menos, na verdade, pois eu comecei uma partida, joguei algumas fases e depois recomecei do zero com um novo personagem. Mas calculo umas 20 horas no mínimo. Uma duração razoável para um jogo desses, até porque ele tem multiplayer (para os que gostam, claro).

    Vc gostou de Force Unleashed?

    ResponderExcluir
  5. muito bom o texto. dá vontade de jogar. Wasner, seria bom se vc aumentasse um pouco o tamanho da fonte (acho que é a idade chegando... rsrs)

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Shadow!

    Com relação a fonte, o ideal é vc usar o recurso de zoom do seu navegador, para aumentar ou diminuir a fonte de acordo com seu gosto. No Firefox, fica dentro do menu "Exibir/Zoom". No Chrome, clique no ícone do alicate no topo superior esquerdo, e selecione "zoom". No IE eu não sei... :)

    Abração!

    ResponderExcluir
  7. Sim, joguei o primeiro Force Unleashed e gostei bastante. Recomendo! O jogo se passa em cenários absolutamente deslumbrantes e criativos, pobre da nova trilogia para competir. Os poderes da força sao bem legais de usar, embora é claro bem exagerados, até pela premissa do jogo. É muito legal ver o inimigos tentando resistir, se debatendo e se segurando onde podem. O o Unleashed 2 nao joguei, os comentarios gerais é que ele é pior.

    ResponderExcluir
  8. Para controlar a fonte, CTRL + e CTRL -
    Funciona na maioria dos navegadores.

    ResponderExcluir
  9. Boas dicas! Na época eu não me interessei pelo Unleashed, pois ele havia sido meio criticado. Recomendado por vc, tenho mais coragem de experimentar. Vou só esperar o preço cair mais...

    ResponderExcluir

Por favor, fique à vontade para comentar, criticar ou sugerir. Mas não será permitido trolling, bullying, spam, preconceito e ataques meramente pessoais ou destrutivos.