Planetóide X

Pillars of Eternity: Na Reta de Chegada! [UPDATE 9 - FINAL]

terça-feira, março 03, 2015 José Guilherme Wasner Machado 28 Comentários Categoria: , , , ,


Como sabem, Pillars of Eternity ("Pilares da Eternidade") é o RPG que aguardo com mais ansiedade neste ano. E olha que bons RPGs não faltarão em 2015. Tenho feito vários posts a respeito desta produção, que ambiciona se tornar a "sucessora espiritual" da saudosa série Baldur's Gate, uma das minhas preferidas em todos os tempos. A longa espera pelo jogo está finalmente terminando. Ele será lançado agora em março, mais precisamente no dia 26. Para entrar no clima desde já, publico aqui uma série de screenshots que foram liberados pela Obsidian. Dá para perceber, por eles, o quanto o jogo está ficando lindão (clique nas imagens para ampliar). Acrescentei também algumas novas informações pescadas aqui e acolá, e que não estão nos posts anteriores. Acho.

Ao longo dos próximos dias, atualizarei este mesmo post com as novidades que porventura forem surgindo. Fique atento!

Vamos lá?

- A Obsidian mostrou para a imprensa uma missão de infiltração em Raedric's Hold, um belo castelo em estilo gótico. Vejam duas imagens da fortaleza a seguir:



- O jogador pode invadir Raedric's Hold na base da porrada, ou pode evitar os combates apelando para subterfúgios. Na demonstração feita pela Obsidian, a equipe do jogador se disfarça vestindo os mantos típicos dos monges locais. O estratagema dá certo, e os heróis conseguem enganar a maior parte dos guardas. O disfarce, todavia, não impede que os aventureiros sejam interrogados de tempos em tempos por algum inimigo mais observador. Nesses momentos tensos, é necessário dar a resposta certa, ou uma luta sangrenta se seguirá. O problema é que nem sempre o diálogo salvador está disponível, já que ele exige que o personagem possua determinadas habilidades ou atributos. E esses pré-requisitos diferem a cada ocasião. É possível atravessar toda a fortaleza sem lutar, caso a equipe possua todos os requisitos necessários. Uma outra alternativa para evitar os confrontos é usar habilidades stealth - o que os olhos não veem, o coração não sente. Torço para que este tipo de missão (com múltiplas soluções) seja algo corriqueiro no jogo.

- Originalmente, os personagens receberiam experiência por missão completada, mas não por inimigos mortos. O objetivo disso era não prejudicar os jogadores que optassem por soluções diplomáticas ou stealth, como as descritas no item anterior. Abordagens violentas ou pacíficas receberiam, portanto, o mesmo número de pontos de experiência ao final. Só que houve uma gritaria tão grande dos fãs que a Obsidian resolveu voltar atrás. Agora os personagens também recebem pontos de experiência por monstro/inimigo derrotado. Mas (este é o detalhe interessante) apenas para um determinado número de inimigos mortos, por tipo. Após esse número ser superado, o jogador não recebe mais pontos de experiência para aquele tipo de monstro ou inimigo. O objetivo disso é permitir que alguém que optou por uma abordagem pacífica em uma determinada missão consiga "recuperar" esses pontos "perdidos" posteriormente. Como muitas das lutas são incontornáveis, mais cedo ou mais tarde todos os jogadores atingirão o limite de pontuação de "inimigos mortos por tipo", sejam eles mais pacifistas ou mais belicosos.


-Quando um novo monstro/inimigo é descoberto, uma ficha sobre ele é acrescentada ao bestiário. Essa ficha conterá informações úteis, como histórico, descrição, vulnerabilidades, etc. Mas, inicialmente, muitos desses campos estarão preenchidos com interrogações. Seu conteúdo só será revelado à medida que o jogador lutar contra aquele tipo específico de inimigo.

- Já havia abordado no blog a inovação do "grazing hit" (impacto/golpe de raspão). Trata-se de um meio termo entre o "hit" (acerto) e o "missing" (erro, com o personagem "acertando o ar"). Com o "grazing hit", o personagem acerta seu adversário "de raspão", provocando apenas 50% do dano normal. A novidade é que esse conceito também se aplica aos ataques de área. Por exemplo, se um mago atira um bola de fogo no campo de batalha, todos aqueles estiverem na área de efeito são atingidos - inimigos ou aliados (o tal do "fogo amigo"). Isso muda, todavia, para aqueles que estiverem na zona periférica da explosão. Os inimigos, neste caso, sofrem apenas 50% dos danos normais. Já os aliados do mago não sofrem dano algum. Isso acrescenta uma nova camada tática ao combate e torna os feitiços de área mais fáceis de serem utilizados sem prejudicar a própria equipe. Mas sem cair no "mamão com açúcar" que seria a completa ausência de "fogo amigo", uma característica comum dos RPGs atuais. A área de grazing hits é uma espécie de bônus. Ela se soma à área de ação normal do ataque, aumentando assim o seu alcance. Quanto maior o intelecto do personagem que está realizando o ataque, maior o diâmetro extra proporcionado pela área de grazing hits.


- Rogues (ladinos) em Dungeons & Dragons produzem grandes danos quando atacam camuflados (em stealth). É o famoso "backstab" (punhalada pelas costas, em tradução livre). Mas situações como estas são raras de ocorrer em D&D, o que, na prática, diminui o poder ofensivo da classe. Em PoE, Rogues são bem mais efetivos, pois há uma variedade muito maior de situações que possibilitam ataques camuflados. E estes podem ocorrer inclusive de forma automática, sem precisar da interferência direta do jogador. Isso coloca os rogues em posição de vantagem, no que diz respeito à capacidade de danos contra alvos simples. Portanto, o ladino de PoE não é aquele cara fracote que você tolera por não poder abrir mão de suas habilidades gatunísticas, mas alguém que contribui dramaticamente para o poder ofensivo da equipe.

- Em batalha, é possível acionar um "Modo Lento". Com isso, a velocidade da luta cai para 2/3 do normal, permitindo que o jogador controle melhor o andamento do combate sem precisar pausar o tempo todo. Menos microgerenciamento.

- Quando o jogador estiver explorando o cenário, é possível acionar um "modo rápido", para acelerar as coisas e diminuir o tempo de trajeto entre dois pontos do cenário.


- Guardas não fugirão de um combate. Mas irão, todavia, gritar por socorro aos colegas que estiverem nas imediações. Então prepare-se para a chegada de reforços no meio de um combate. Bons tempos em que você atrair os idiotas e trucida-los um a um, impunemente.

- É possível encantar itens, como armaduras, peças de vestuário, etc.

- É possível upgradear itens ao longo do jogo, mantendo seu poder à altura dos desafios crescentes. Assim, se você se apaixonou por alguma espada ou armadura particularmente bonita ou com um background peculiar, é possível atravessar o jogo inteiro com elas, desde que você invista periodicamente no aumento do seu poder. Quem jogou Baldur's Gate se lembra de como foi doloroso ter que descartar itens preciosos e/ou raros, como a espada Lilarcor ou o Elmo de Balduran. Em PoE isso não será mais necessário.

- Personagens que vestirem armaduras de placas (plate armors) ficarão mais vulneráveis contra eletricidade. Imagino que outros tipos trarão outras vulnerabilidades.


- Diversos elementos da interface podem ser ligados ou desligados, de acordo com as preferências do jogador.

- As configurações gráficas incluem opções para pessoas com deficiência visual na percepção de cores.

- Algo entre 2/3 a 3/4 do conteúdo do jogo é completamente opcional. Portanto, fora do caminho obrigatório da missão principal. Isso inclui a mega-masmorra de quinze níveis e o acima citado Raedric's Hold. Os maiores desafios oferecidos por PoE, assim como algumas das suas maiores recompensas, estarão justamente no conteúdo opcional.

- Não é possível atingir o level cap (nível máximo que os personagens podem atingir no jogo) sem fazer boa parte das missões opcionais.

- Diferentes níveis de dificuldade afetarão principalmente a composição dos inimigos em um combate, em vez de simplesmente aumentar suas estatísticas e atributos. O que, convenhamos, é um saco.


- Existem momentos pré-definidos da aventura em que será preciso utilizar itens especiais, como
ganchos ou cordas.

- Quando o jogador chegar no "ponto de não retorno" da missão principal (ou seja, o ponto a partir do qual a sequência final ocorrerá), será gravado um savegame automaticamente. Este save poderá ser usado futuramente, quando forem acrescentadas novas expansões ao jogo.  Por sinal, a Obsidian não está trabalhando agora em uma continuação de Pillars of Eternity, ao contrário do que foi dito por alguns sites. As expansões (e patches, claro) virão antes disso.

- Está sendo lançado um guia de estratégia do jogo pela Prima Games. Maiores detalhes aqui. Tentador. Muito tentador.

Bem, é isto.

Lembro ainda ao leitor que, se outras informações surgirem até o lançamento, atualizarei este mesmo post. Fique ligado!

Após o lançamento, farei um resumão das resenhas.





Update 1 - 05/03/15

A Obsidian liberou hoje três novos screenshots que mostram dragões em diferentes estágios de maturidade: Wurm, Drake e, finalmente, um dragão plenamente amadurecido. Informações de lore sobre os diferentes tipos podem ser encontradas aqui (em inglês).




Update 2 - 08/03/15

Apresentação da Obsidian na PAX East. Assistam, tem MUITA informação.



Update 3 - 10/03/15

Primeira parte do documentário The Road to Eternity, um "Making of" sobre Pillars of Eternity. Descobre-se, entre outras coisas, que a Obsidian quase teve que fechar as portas, antes do sucesso da kickstarter de PoE.



Update 4 - 18/03/15

Mais uma leva de screenshots. Duas amostras do "Big Head Mode" (Modo "Cabeção") e quatro imagens de ruínas do Império Engwithan.







Update 5 - 23/03/15

Mais alguns screenshots, desta vez de um farol abandonado que é convertido em uma pousada. Mais explicações aqui.




Update 6 - 23/03/15

Segunda parte do documentário The Road to Eternity.



Update 7 - 23/03/15

A PC Gamer transmitiu no Twitch suas primeiras horas com Pillars of Eternity. Siga para o link, pois tive que tirar o player embutido. Ele estava dando problemas.

Veja ainda estas primeiras impressões do Kotaku, We're Really Digging Pillars of Eternity. Além de opiniões muito elogiosas, o artigo oferece uma imagem de maior resolução com a concepção artística da mega-masmorra de quinze níveis. Já havia exibido esta imagem antes, mas com uma resolução bem pior. Confira:


Só mais dois dias, pessoal!

Update 8 - 25/03/15

A Polygon disponibilizou uma reportagem muito interessante, mostrando como o sistema de RPG de Pillars of Eternity evita as "armadilhas de build" tão típicas de jogos do gênero. Confira, é muito legal: How Pillars of Eternity rewrites the rules for role-playing.

Para quem já quiser ir se informando, clique aqui para acessar o manual do jogo, direto do Steam.

É amanhã!


Update 9 - 26/03/15

Bem, este é o último update deste post. Daqui para frente serão impressões diretas do jogo.

A Obsidian liberou um trailer de lançamento:




As resenhas da imprensa especializada têm sido tremendamente positivas. É o jogo da Obsidian mais bem avaliado até hoje. Confira no Metacritic (no momento, 93/100).

E, claro, eu já criei meu personagem:


Boas aventuras!

Veja Também:

OUTROS POSTS

28 comentários

  1. Como sempre, muito boa a sua análise José Guilherme!!!

    Estou ansioso por este game também, pena que ele não será lançado em português!
    Meu conhecimento em inglês (básico) não me permite jogar este game, não antes de lançar uma tradução (ou algum grupo de fãs traduzir para nosso idioma)!! Parece que o jogo terá 700 mil linhas de texto (É verdade isso produção?), se for verdade, vai ser difícil algum grupo de brasileiros fazer uma tradução não-oficial, ou irá demorar anos para se traduzir.
    Você tem alguma noticia em relação a tradução para o nosso idioma? Dei uma observada no fórum da Obsidian e foram criados vários posts de usuários solicitando a tradução do jogo para o idioma tupiniquim.

    Aaaahh, também divulgue as novidades que virão sobre Sword Coast Legends, que também é um dos meus rpgs mais esperados, por ter as regras do D&D 5e. Se não for pedir muito é claro!!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Paulo, as notícias não são nada boas em relação a uma localização em português. A maior chance disso acontecer oficialmente seria por iniciativa de alguma distribuidora local, como ocorreu com as localizações em russo e polonês. Para piorar, CRPGs deste tipo não são muito populares por estas bandas. Resta então esperar uma tradução dos fãs, mas pelo montante de texto (não sei o total, em linhas), isso levará um BOCADO de tempo! :(

      Será que a tradução para espanhol lhe ajudaria, Paulo? Esta, pelo menos, deve sair logo de cara.

      Tome cuidado se sair alguma tradução para português em pouco tempo... provavelmente a pessoa só passou o texto em inglês em algum tradutor automático.

      Tem um post publicado sobre Sword Coast Legends aqui no blog. Quando houve um número razoável de informações sobre ele, devo publicar algo. O problema é que neste ano não faltam boas novidades. Há vários outros RPGs interessantes sobre os quais eu gostaria de falar, mas o tempo está curto para tanta coisa.

      Grande abraço!

      Excluir
    2. Realmente jogos CRPGs não são populares por aqui.
      Vou ter que me contentar com o espanhol! rsrsrs

      Estou ciente que tem usuários que simplesmente copiam o texto do jogo e traduzem pelo Google Translator... Uma tradução de PoE feita por fãs aqui no Brasil irá levar bastante tempo. Eu acho até improvável ser traduzida por fãs, pois como você mesmo disse, CRPGs não são famosos por aqui infelizmente.

      Eu já li sobre Sword Coast Legends que você publicou aqui no blog.
      Espero que o jogo seja também um "sucessor espiritual" de BG!

      Abraços

      Excluir
  2. Achei bem interessante o limite de XP por mortes de um mesmo monstro. Afinal, ao matar o décimo orc você pode ainda aprender algo novo, o que não valerá para o centésimo.

    Milagre você se interessar por um guia de estratégia em papel. O que o PIllars não é capaz de fazer! :)

    ResponderExcluir
  3. É, vai ser difícil não querer jogar no lançamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, eu já comprei em pré-venda... devo jogar um pouco assim que for lançado, para ver como ficou, e matar a vontade. Mas devo esperar pelo menos o primeiro patch antes de jogar para valer. Além disso, tenho que terminar Wasteland 2 antes de embarcar em outro jogo...

      Um prima guide de um jogo complexo como este não deixa de ser interessante. Para a maior parte dos RPGs atuais, que são muito simples, não compensa. Mas não digo que comprarei. Aliás, faltou o link para o guia... vou corrigir isso hoje no final do dia, quando chegar em casa.

      Abraços!

      Excluir
    2. Quero ver se vai resistir parar de jogar!

      Afinal de contar, comprou a edição mais barata mesmo, a Hero edition?

      Excluir
    3. O jogo esta um bom preço na Fullgames, R$ 64,90. Porém na minha última tentativa de compra lá o BCash barrou a transação sem qualquer explicação.

      Excluir
    4. Acho que foi a mais simples mesmo!

      De repente, deixo para termi ar Wasteland 2 depois, como já fiz com Original Sin... mas vou tentar me controlar...

      Excluir
  4. Respostas
    1. Ainda não. Ficou para depois. É um grande jogo, mas a história é tão desinteressante! Isso acaba me alienando. Ainda mais num período tão movimentado. Mas pretendo terminar... um dia. Minha esperança é que a história melhore mais para frente.

      Excluir
  5. E o Wasteland 2, é melhor a história?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito cedo ainda. Até desisti de comentar sobre isso agora. O que posso dizer é a coisa é bem telegrafada. Já dá para adivinhar o mote central da trama. A vantagem de jogos pós-apocalípticos é que suas tramas básicas estão menos desgastadas nos rpgs, já que estes são em bem menor qtde que os high fantasy.

      Excluir
  6. Será que é só eu que achei esses dragões de PoE iguais a uma galinha?
    huehue br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, se dragões forem como os dinossauros... têm sentido! ;)

      Excluir
  7. Otima explanação José Guilherme n vejo a hora de jogar Pillars of Eternity. Em relação ao Original sin achei o melhor rpg de 2014 na minha humilde opiniao rsrs!!!
    Abraços continue com o excelente trabalho!!

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, Felipe!

    Eu ainda vou terminar o Original Sin uma hora dessas. Gostei muito do combate e das mecânicas em geral. A história é que não conseguiu me prender, pelo menos nas minhas primeiras quinze horas de jogo... mas retornarei a ele, isso é certo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Gostei bastante do seu blog, li as 3 primeiras partes sobre o conteúdo do jogo e agora tem me chamado muita atenção, o problema mesmo vai ser a paciência de jogar (sou casado e organizar o tempo é complicado hj em dia), comprei todos esses últimos lançamentos como Destiny, Wasteland 2 (não gostei tanto assim), as versões do BGEE 1 e 2, (estou jogando o 1), enfim....o PoE realmente tem chamado minha atenção, provavelmente irei comprar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Samir!

      O que infelizmente está ocorrendo com muitos jogos dessa leva de rpgs old school - e nisso incluo wasteland 2 - é que a história e os personagens não tem recebido a atenção necessária. E sem isso, fica bem mais difícil um RPG empolgar ou ser marcante. Pretendo falar sobre isso com maus detalhes em um futuro post.

      Abraços!

      Excluir
  10. Esse vídeo do Twitch entra em auto-play ao carregar a página, blergh!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o parâmetro de auto-play está em false, ou seja, não deveria ocorrer...

      Excluir
    2. Retirei o maldito player embutido. Ele está mesmo com bug:

      http://www.reddit.com/r/Smite/comments/2e3vaq/oh_my_god_please_stop_the_autoplay_of_twitch_on/

      Excluir
  11. Vamos ver se a Fullgames libera minha chave no dia do lançamento conforme prometem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Só comprei porque é uma chave ativável no Steam. Acredito que tudo que vendam sejam chaves para o Steam e outros.

      Excluir
  12. Estranho... Esse jogo foi alvo de tantas notícias quando era anúncio, mas ainda não recebeu análise e nem sequer primeiras impressões suas.

    Desistiu dele? Esbarrou com bugs? Witcher 3 roubou totalmente a atenção? Ou foi falta de tempo livre mesmo?

    Já faz um bocado desde sua última análise. Eu estava curioso pra ler suas impressões deste jogo, além do Divinity Original Sin. Aliás, você já jogou algum dos anteriores? Conhece um jogo chamado Inquisitor? Ele parece ser excelente, e pode adequar-se bem ao seu gosto (tem tanto no steam quanto no gog).

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Thiago!

      Sim, preciso falar de Pillars of Eternity... e também preciso falar da E3, dos novos RPGs que vem por aí, do livro de RPGs do Felipe Pepe, de The Witcher 3... e muito mais. :) A backlog aqui está enorme, e só crescendo. Mas estou atravessando uma fase muito difícil no momento. Muito stress e pouco tempo. Então, nas folgas, tenho me dedicado a jogar e tentar relaxar, em vez de escrever pro blog. E sim, The Witcher 3 tem me dominado nos últimos tempos. Jogo muito bom, apesar de ter também os seus defeitos. Já estou nas 80 horas , e pelo visto vai durar três vezes isso.

      Adiantando um pouco minha opinião sobre PoE, digo que é um RPG digno, mas muito abaixo das minhas expectativas. No máximo, um jogo regular, apesar de belíssimo visualmente. Francamente, me decepcionei. Quero depois detalhar com cuidado tudo que não gostei nele, mas é o tipo de análise que toma tempo.

      Interrompi minha campanha do Divinity: Original Sin, e vou aguardar a versão do diretor, que oferece muitos aprimoramentos. Mas só depois de The Witcher 3 e o Game of Thrones da Telltale.
      Dos anteriores só joguei um pouquinho de cada. E não desagradei do que vi. O problema é o tempo...

      Esse Inquisitor parece bem legal, ele passou abaixo do meu radar. Vou procurar saber mais sobre ele. Valeu pela dica!

      Grande abraço!

      Excluir

Por favor, fique à vontade para comentar, criticar ou sugerir. Mas não será permitido trolling, bullying, spam, preconceito e ataques meramente pessoais ou destrutivos.